Tranca em porta arrombada…

Por em 30 de janeiro de 2013

Caros amigos, é com tristeza e muita dor no coração que dedico estas palavras à tragédia ocorrida em Santa Maria – RS, onde as vidas de 233 jovens foram ceifadas em razão do descaso, do jeitinho brasileiro, onde o rigor que deveria haver na prevenção de acidentes, ficou só no papel…

            Em nosso país estamos acostumados, lamentavelmente a ouvir soluções para problemas sérios que nos afligem, porém estas fantásticas soluções só são enumeradas, propagadas e discutidas, após as tragédias, porém quando a fumaça baixa (fumaça tóxica foi a maior causa das mortes), tudo volta como era antes…

            Ouvir o pronunciamento do prefeito de Santa Maria, após a tragédia, “de que a prefeitura e os seus órgãos são rigorosos na expedição de alvarás de funcionamento”, desculpe-me senhor prefeito, se o rigor existe como explicar uma casa noturna abrigando mais de 1000 pessoas, ter somente uma entrada/saída, sem nenhuma porta de emergência, estar com seu alvará vencido, este é o rigor brasileiro???

            Como pai e avô, fico mesmo que a distância, sentindo a dor que os pais, os irmãos, os amigos destas vitimas estão sofrendo neste momento, e o que é pior carregarão dentro do peito a dor da ausência de um ente querido, que se foi quando só queria comemorar e divertir-se…

            Em realidade não adiante procurar culpados, devemos sim identificar as causas verdadeiras, as causas acessórias, os motivos que levaram à tragédia, mesmo porque só estaremos evitando a repetição destes dramas, se tivermos a coragem de identificar, todos os atos, fatos e omissões de quem quer que seja que estejam na raiz da tragédia…

            Somos todos culpados, pois pouca ou nenhuma vez exercemos a nossa cidadania e reclamamos ao verificar que situações indevidas que nos são entregues, que nos atingem e o máximo que fazemos é evitar tal local ou tal situação, quando deveríamos exigir as mudanças necessárias, quando não o fazemos estamos pecando pela omissão…

            Omissão que foi uma das maiores razões para o acontecimento da tragédia, visto que o poder público, que é pago por todos nós, para tratar das condições básicas de segurança para vida em sociedade, falha de forma fragorosa, quer na prevenção como na correção dos problemas que nos afligem, ou será que nos sentimos seguros ao sair para trabalhar ou passear e nos tornarmos presas fáceis da bandidagem, que nos impôs a “pena de morte”…

            Surgirão os aproveitadores da ocasião, que irão propor legislações as mais estapafúrdias, com a implantação de sistemas automatizados de segurança, com pirotecnias mil do meu Brasil varonil, porém exigir que a legislação existente seja cumprida, que o Corpo de Bombeiros seja mais respeitado em suas vistorias e exigências, isto ficará só nas palavras que se esvaem como a fumaça que fulminou os jovens em Santa Maria…

            Que nossas orações, quaisquer que sejam as religiões, possam entregar a luz e a paz a estas pessoas que passaram para outro plano de vida e que suas famílias recebam a consolação pela partida antecipada e trágica de seus entes queridos, que estas famílias possam reconstruir suas vidas baseadas nas lembranças dos momentos felizes que viveram junto aos seus filhos…

            Que não se proponham a colocação de “trancas em portas arrombadas”. Pois temos especialistas de ocasião, mas que, seja um momento de reflexão, de olhar para o que ocorre neste país, no seu estado, na sua cidade, no seu bairro, e o que podemos fazer como cidadãos, para que tragédias como estas se repitam, que mortes prematuras e trágicas como estas voltem a ocorrer…

            Acooorda Brasiiil sinta as dores destes jovens que se foram, e em homenagem a eles, vamos sair da letargia da aceitação das situações incorretas, para a exigência democrática e ordeira dos nossos direitos de cidadãos, vamos dizer não à picaretagem que aí esta, que falsamente diz estar preocupada com o futuro desta nação, que se esvai como a fumaça tóxica que fulminou a tantos em Santa Maria…

Prof. Carlos Justino da Silveira

Graduado em Pedagogia, Mestre em Administração de Empresas e Controladoria, atua na área de ensino, e atualmente em Consultoria e treinamento de pessoal, sendo Professor de Administração e Gestão Manufatureira e de Serviços do Centro Universitário de Santo André – UNIÁ.