Andando pela vida

Por em 6 de maio de 2013

Acordo hoje como um animal ferido, louco, desconfiado, perseguido, a casa está vazia e não me sai da cabeça as vozes de meus amigos. Vida também é missão , é empreitada, joga-se os dados, soma-se os pontos , noves  fora nada. Cada momento é único,  todo minuto é sagrado.

A balança é implacável, se ontem sorri , hoje choro, se antes odiei, hoje adoro e o tempo vai voando.

Saliento a alegria imensa de estar onde estou hoje e das marcas que ficaram de cada pessoa que passou; sinto na boca o gosto doce que tece palavras amenas pela manhã e vejo sem mais pesar a solidão junto a poeira se esvaindo por baixo do tapete. Sobrou para mim o amargo pesar de fechar as portas antes de recomeçar; é final de ciclo, mudança de temporada.

Amei intensamente o frio, o calor, a chuva e o olhar de mistério de cada pessoa que conheci, que reencontrei; suas personalidades intrigantes. Fui consumido várias vezes pelas brasas do ódio, na encosta dos espinhos de um rancor letal, como se o veneno corresse em minhas veias. Lutei pelo que acreditava como um bicho de savana pela sobrevivência.Desmontei de medo várias vezes, sentei descalço nas calçadas de uma rua vazia e assim como um menino longe do lar, chorei, chorei enquanto a chuva molhava meu corpo e tocava minha alma.

Hoje meu peito explode de saudades e apesar de toda a dor, abro um sorriso  em homenagem a todos aqueles que escreveram uma frase nas páginas de minha vida.

O hoje é infinito, o ontem uma lembrança e o amanhã apenas uma questão de fé.

Dam Nascimento

Dam Nascimento - Graduado em Comunicação Social com Ênfase em Publicidade e Propaganda, tem três publicações em anuários de iniciação científica, um livro e duas participações em antologias literárias; atua na área de representação e treinamentos.          site: www.freewebs.com/cronistadam