Dinheiro Motiva?

Por em 23 de fevereiro de 2014

Recebemos, via Internet, a seguinte frase: “quando jovem achamos que dinheiro é tudo, quando idoso temos certeza”.Ela serviu de gancho para reflexão sobre um dos mais complexos, e polêmicos, temas sobre comportamento humano – a motivação financeira.

As opiniões favorecem debates, entre os que acham que dinheiro não é tudo e os que estão convencidos que a parte mais sensível do corpo humano é,sem dúvida alguma, o bolso. O questionamento sobre motivação é de essencial importância, pois atinge todas as atividades humanas, cenário de transações bilionárias e de campanhas humanitárias.

Entre os estudiosos sobre motivação destacamos o psicólogo norte-americano Abraham H. Maslow (1908-1970) que fez história com a sua célebre teoria da pirâmide das necessidades humanas. Na base as necessidades fisiológicas, depois as de segurança, em seguida as sociais, após essas as de status e estima e no ápice, a auto-realização.

Um mergulho nessa teoria nos permite visualizar a diversidade de estímulos motivacionais, inclusive financeiros, pois se o dinheiro pode não ser o maior motivador para determinadas pessoas, a sua falta é uma das mais cruéis causas de exclusão social – chaga viva na nossa sociedade.

Excelentes serviços de educação e de saúde, alicerces de qualidade de vida, têm preços proibitivos para as pessoas de baixa renda, o que as impedem de estarem inseridas na vertiginosa evolução do conhecimento – a mais eficaz fonte de riqueza das nações. Se sucesso é conseguir o que se almeja, felicidade é ficar satisfeito com o que se conquistou.

Em diversas profissões há registros de carreiras promissoras que foram interrompidas precocemente, não por falta de talento, mas por inabilidade entre o adequado uso da fortuna, a gerenciamento do poder e o convívio com a fama.

No equilíbrio entre essas variáveis, fatores da mesma equação, encontra-se um gigantesco desafio a ser superado.

Além das excelentes condições de trabalho, que a empresa possa oferecer, de relações interpessoais plenas de harmonia, de oportunidades de desenvolvimento profissional e de salário compatível com a exigência da função, estamos convencidos que a motivação é uma porta – com a chave pelo lado de dentro – cabendo a cada um de nós a iniciativa em abri-la.

* Faustino Vicente – Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos, Professor e Advogado – e-mail: faustino.vicente@uol.com.br – Jundiaí (Terra da Uva)

Faustino Vicente

Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos, Professor e Advogado – Jundiaí (Terra da Uva) – São Paulo – Brasil – E-mail: : faustino.vicente@uol.com.br