Itupeva Adventure promove trilha cultural

Por em 24 de janeiro de 2016
Jornal de Itupeva

Gruta do Quilombo, usina hidrelétrica, antiga represa, estação sorocabana, casarão centenário e senzala foram visitados

Após um final de semana hard, com duas escaladas pesadas (Agulhas Negras e Morro do Couto – 5ª e 8ª montanhas mais altas do Brasil), esse fim de semana o Itupeva Adventure realizou sua segunda trilha em Itupeva, de nível iniciante, com caminhada de aproximadamente 6 quilômetros. Participou deste trajeto um seleto grupo de sete pessoas, desta vez com duas novas integrantes.

O circuito abordou a cultura e história da cidade, com visitação ao berço de Itupeva, entre os bairros Monte Serrat e Quilombo, com parte do trajeto feito de carro. A trilha começou no bairro do Quilombo, com visita às ruinas da primeira e antiga ponte do bairro. Na sequência, todos seguiram em caminhada até a Gruta do Quilombo, que é um dos pontos turístico mais visitados no dia 12 de outubro, quando se comemora o Dia da Padroeira do Brasil.

Como acesso à gruta, o grupo usou uma trilha demarcada, com passagem por belas paisagens rochosas e uma nascente. A segurança dos participantes e o cuidado com a preservação do meio ambiente são prioridades do Itupeva Adventure, que nada mais é que um grupo de amigos, sem fins lucrativos, que tem o objetivo de conhecer a cultura local e regional por meio da caminhada, associando conhecimento com qualidade de vida.

Apesar de residirem em Itupeva há anos, alguns integrantes ainda não conheciam a gruta do Quilombo, sendo palco para minutos de admiração e muitas fotos. Na sequência, foi visitado um parque rochoso com a presença de cactos e diversas espécies da mata nativa. Do alto das pedras era possível ver a cidade de Indaiatuba, localizada a alguns quilômetros dali.

A parada para descanso aconteceu, em grande estilo, em um estabelecimento comercial do bairro do Quilombo, que funciona em uma casa centenária, a mais antiga da região e que ainda resiste ao tempo e à exploração imobiliária. A casa era de propriedade de antigos fazendeiros, conhecidos como barões do café, que há mais de 100 anos mantinha escravos como funcionários para manter as plantações e serviços da família.

Também foram visitados o prédio onde funcionou o armazém de época e duas antigas caixas d’água, que eram usadas para abastecer o trem ‘Maria Fumaça’.

“É muito interessante conhecer mais a fundo a cidade que a gente mora. O lugar é exuberante e o contato mais próximo com a natureza faz muito bem à nossa saúde. Gostei muito desse grupo e essa caminhada foi maravilhosa” disse, Graziele Oliveira.

“Nem imaginava que aqui perto havia uma senzala que ainda preserva características de época. O alicerce é aparente e a estrutura da casa é exposta e isso nos remete à época da escravatura, quando muitas pessoas sofriam nas mãos dos patrões. Dá para se imaginar o sofrimento vivido pelos escravos aqui embaixo”, disse Letícia Pereira.

Hidrelétrica
A segunda etapa da caminhada deste domingo (24) foi marcada pela visita à antiga Usina de Força e Luiz de Jundiaí, que fornecia energia elétrica para o então bairro de Itupeva e também para a cidade de Jundiaí, cidade à qual o bairro de Itupeva pertencia, tendo sido Emancipada em 21 de março de 1965.

O grupo se encantou com relatos históricos e por saber que aquela ruína foi responsável por gerar energia para toda a região. Para se chegar à usina, a única passagem é sobre 4 gigantes trilhos de ferro, da antiga Estação de Ferro Sorocabana.

História
Hoje, a usina uma total ruína, de imagem bucólica e que costuma impressionar os turistas. Foi construída em 1904, ou seja, há 112 anos. Utilizava a água do Rio Jundiaí para movimentar suas máquinas e, com isso, gerar energia para Jundiaí. Um ano mais tarde foi inaugurada a hidrelétrica Monte Serrat (1905) e também a do Quilombo (1913).

Em 1912, a empresa adquiriu a companhia de Rio Claro, que passou a chamar-se S.A. Central Elétrica Rio Claro – Sacerc, chegando a possuir sete hidrelétricas em São Paulo e uma em Minas Gerais. Em 1927 foi vendida para o grupo Light. Em 1965, a Sacerc foi vendida para a Cia. Hidroelétrica do Rio Pardo – Cherp, controlada pelo governo paulista. A Cherp, por sua vez, foi incorporada à atual Cia. Energética de São Paulo – Cesp em 1966.
A antiga represa usada para a captação de água da usina ainda está intacta e foi outro ponto visitado pelo grupo. Após breve pausa para fotos, todos seguiram para o mais antigo casarão do bairro do Monte Serrat, que recentemente foi incendiado por vândalos e hoje vem sendo reformado.

Por fim, o grupo visitou a antiga estação Sorocabana, hoje desativada: “É uma pena ver a história do município assim, sem utilidade nenhuma, se acabando”, diziam ‘em coro’ os participantes.
A caminhada terminou por volta de 13 horas, quando todos voltaram para o conforto de seus lares, já aguardando a próxima trilha promovida pelo Itupeva Adventure. E você? Ficou interessado em fazer parte deste grupo? Vem com a gente, é grátis!!

Participaram da trilha cultural: Luiz Junior; Jaíne Assis; Letícia Pereira; Graziele Oliveira; Priscila Rodrigues; Augusto Lima e o organizador do Itupeva Adventure, Luiz Carlos Izzo.

Aguardem novidades na cidade e… vem com a gente!!

O perfil do Itupeva Adventure no Facebook é: www.facebook.com/itupevaadventure