Brasileiro conquista o cume do Aconcágua

Por em 7 de março de 2016
Jornal de Itupeva

O jornalista Luiz Carlos Izzo, morador da cidade de Itupeva, é o mais novo montanhista a chegar ao cume da montanha mais alta das Américas, o Aconcágua.

O esportista e aventureiro, que já fez flamular a bandeira Brasileira em mais de 50 países, viajou para a Argentina na tentativa de levar a bandeira para o topo da montanha conhecida como Sentinela de Pedra, localizada no Parque Provincial Aconcágua, na cidade de Mendoza.

Luiz Carlos Izzo representou a UEB – União dos Escoteiros do Brasil -, que tem como presidente o chefe escoteiro, Marco Aurélio Romeu Fernandes.

A expedição foi precisa e considerada um sucesso, já que o montanhista conseguiu o cume logo em sua primeira tentativa, algo não comum entre a classe esportista, que normalmente tenta por três a quatro vezes, até conseguir o feito.

Apesar de estar há apenas 180 km de Mendoza e de ter uma invejável infraestrutura de segurança e resgate, o Aconcágua é uma montanha muito desafiadora devido à sua posição geográfica, de baixa latitude. O clima dos Andes é muito duro e acima dos 5.000 metros a temperatura pode chegar facilmente abaixo de -20 º C com ventos superiores a 130 Km/h. Isso explica o baixo índice de sucesso das expedições, inclusive com registro de mortes e acidentes, já que o corpo humano não está acostumado para essas grandes altitudes e mesmo erros pequenos podem complicar muito a vida de qualquer pessoa mais tarde.

Existem várias vias de acesso (normal, polacos, falsa polacos, face sul) ao cume do Aconcágua, algumas mais difíceis, que exigem escaladas em gelo e rocha, porém, a rota normal continua sendo a mais procurada, por se tratar de uma via de trekking e que não exige conhecimentos técnicos de escalada, porém, justamente aí está o perigo, pois muitas pessoas subestimam a montanha e se expõem a riscos desnecessários.

A mais alta montanha do planeta fora do Himalaia
O Aconcágua é a montanha mais alta das Américas e a mais alta do mundo fora do Himalaia. Acompanhado de outros brasileiros, o projeto de escalada começou em Vallecitos, uma região localizada no Córdon del Plata, em uma vila de Potrerilhos, em Mendoza, onde as montanhas têm altitude mais elevada que qualquer montanha brasileira. O desafio que a montanha apresenta é um teste de resistência física pois o montanhista tem que superar o frio e a falta de oxigênio comum às grandes altitudes.

Aclimatação
Para conquistar um colosso como o Aconcágua, Luiz Carlos Izzo afirma que é fundamental que o montanhista se aclimate bem, com a estratégia de se caminhar com carga até a parte alta e retornar para dormir mais abaixo.“Segui o conselho de grandes montanhistas, que sempre nos indica seguir para altitudes superiores com um pouco de carga e depois voltar para dormir em altitudes mais baixas. Isto de certa forma consegue enganar o corpo humano. Nosso processo de aclimatação, que definitivamente é o preparo do corpo para a altitude e também às baixas temperaturas, começou em Vallecitos. Fizemos várias escaladas, com caminhadas longas, algumas mais forçadas, e procuramos permanecer o máximo que pudemos no alto dos principais cumes”, disse o montanhista.A aclimatação do montanhista aconteceu em Vallecitos, que abriga diversas montanhas, como o Cerro San Bernardo, Lomas Amarillas, Cerro Franke, El Salto, Rincón, Vallecitos propriamente dito e também o Cerro Plata, que com quase 6 mil metros de altitude é o ponto culminante da região.

Ataque ao grande Aconcágua
Após a aclimatação, Luiz Carlos Izzo foi até o Parque Provincial Aconcágua e definitivamente iniciou a expedição.
“Já explorei quase todas as 20 mais altas montanhas do Brasil e também algumas montanhas e vulcões da América, como o Poás, na Costa Rica, que tem a segunda maior cratera ativa o mundo, o El Boquerón, em El Salvador, e o Quatrupillán e o San Jose, no Chile. Conquistar o Aconcágua sempre foi um sonho meu, porque esta é a maior montanha do mundo fora dos Himalaias e apresenta algumas dificuldades extras, como a pressão atmosférica, que é maior que no Everest, com ventos muito fortes que podem chegar fácil a 100km/h. Outra característica do Aconcágua é que as temperaturas no cume giram em torno de -30°C, com sensação térmica que chega a -50 C°.

Este ano, a influência do El Niño fez com que a temperatura no Aconcágua caísse ainda mais, motivo que fez com que as autoridades interditassem o acesso ao cume da montanha em dias específicos.

Sucesso na Expedição
Apesar de ter iniciado o processo de aclimatação e também a expedição ao Aconcágua com montanhistas experientes do Brasil, todos os participantes foram desistindo ao atingirem altitudes acima de 5 mil metros, após terem apresentado sintomas do ‘mal da montanha’, principalmente dores de cabeça. Luiz Carlos Izzo permaneceu focado em seu sonho e conquistou, sozinho, o cume da montanha, a 6.962 metros de altitude.

“Assumo que assumi um risco muito grande de não voltar da montanha, principalmente porque estava sozinho e sem condições nenhuma de produzir água em uma região inóspita e congelada. Mas meu instinto falou mais alto e tudo deu certo, graças a Deus”, disse.

Em uma rede social, Luiz Carlos Izzo relatou sua satisfação em ter alcançado o cume da mais alta montanha das Américas: “Sou otimista até demais, mas confesso que não acreditei que poderia ter capacidade de chegar no topo da montanha mais alta das Américas! Passei frio, fome, derreti gelo para beber um pouco de água. Sofri alucinações momentâneas e lapsos de memória por conta da baixa oxigenação, que ocorre normalmente em uma altitude de quase 7 quilômetros. Tive queimaduras por conta de temperaturas extremas, mas agora posso dizer que sou um dos poucos montanhistas que conquistaram o cume do Monte Aconcágua. Foram 20 dias de muitas dificuldades, esforço extremo e muitas surpresas a cada um dos 6.962 metros de altitude, que são desafiados um a um, passo a passo. Mas assim é a vida… feita de desafios. E que venham os novos”, disse.

Sentinela de Pedra
O monte Aconcágua tem 6.962 metros de altitude e é simultaneamente o ponto mais alto das Américas, de todo o Hemisfério Sul e o mais alto fora da Ásia. Fica localizado nos Andes argentinos, a cerca de 112 km da cidade de Mendoza. Está localizado no Parque Provincial Aconcágua, com entrada que fica próxima ao povoado de Puente del Inca. Por ser a montanha mais alta das Américas desafia todos os anos montanhistas de todo mundo a escalá-la. Existem alguns locais para acampamentos para quem deseja realizar a subida da montanha: Confluência a 3.368 m de altitude, Plaza de Mulas 4.370 m – que é o acampamento base –, Nido de Condores a 5.560 m e Berlim a 5.926 m.

A subida pela face sul do Aconcágua é considerada uma das mais perigosas do mundo. Para superar blocos de gelo do tamanho de edifícios são necessários: bom conhecimento técnico e enorme capacidade física. O desafio que a montanha apresenta é um teste de resistência física pois o montanhista tem que superar o frio e a falta de oxigénio comum às grandes altitudes. No local, 3 brasileiros morreram diante uma avalanche e seus corpos permanecem pendurados no local, já que o resgate é considerado impossível diante a altitude e região em que se encontram.

O Aconcágua, que na língua quíchua significa ‘sentinela de pedra’, faz parte do circuito dos 7 cumes, onde é eleita a maior montanha de cada continente:

Confira os maiores cumes dos 7 continentes:
• Everest – Ásia – 8.850;
• Aconcágua – América, Argentina – 6.962;
• Denali (Mount McKinley) – Alaska – 6.194;
• Kilimanjaro – África – 5.895;
• Elbrus – Europa – 5.642;
• Vinson– Antártica – 4.897;
• Carstensz Pyramid – Austrália – 4.884