“Não roubarás”: nova versão…

Por em 4 de setembro de 2012

Caros amigos, de forma fantástica, inusitada e desavergonhada nossos deputados na Câmara Federal definiram uma nova versão para o mandamento “não roubarás” é só fazê-lo antes ou depois do mandato parlamentar, pois esta foi a forma de garantirem que todos aqueles que respondem a processos…

Seria muito bom que o “ex-imperador Mulla I” revisse seus números sobre os picaretas da Câmara Federal ao invés de 300, neste caso escabroso do “não roubarás” sofreu uma queda para 265, isto sem contar os 60 ausentes, da votação do caso de improbidade da deputada Jaqueline Roriz…

Mas voltando o caso em questão, é calhordamente impressionante, que os deputados tenham ignorado as cenas gravadas da referida deputada apropriando-se de alta soma em dinheiro, e angelicalmente tenham aceitado a tese de defesa de que os fatos aconteceram antes dela ser eleita, isto é uma sem-vergonhice, muito pior que uma vergonha, como diria o Casoy…

Agora a desculpa, de que se trata de dinheiro destinado “ao Caixa dois” da campanha tomou corpo, a partir do momento em que altas autoridades do governo brasileiro, nestes tempos de “Ptralhismo” defenderam os seus companheiros desta mesma forma…

Neste caso não podemos simplesmente avaliar como um caso de corporativismo parlamentar se trata inegavelmente de um “salvo conduto” a todos aqueles que estão respondendo ao Processo do Mensalão no Supremo Tribunal Federal, processo este que “caminha a passos de tartaruga manca e sem duas patas”, muito provavelmente a espera da prescrição dos crimes cometidos, desculpe para alguns meros deslizes…

Se esta nova versão do “não roubarás” entrar em vigor para toda a sociedade, teremos um esvaziamento de nossas cadeias, pois muitos que lá estão não tinham mandato parlamentar, e portando não são passíveis das penas a eles imputadas, ou será que “o novo não roubarás” se aplica somente a quem tem mandato público…

Pelo menos podemos apreciar o semblante de “aliviados” de dois deputados na Câmara, são os caos de João Paulo cunha do PT e Valdemar da Costa Neto do PTB, que foram os que mais se empenharam para fazer valer a impunidade parlamentar, e que na votação sequer compareceram…

Aliás, cabe destacar que esta votação contou com a excrescência democrática que representa a “votação secreta”, que enquanto continuar sendo utilizada em nosso parlamento servirá de muleta aos maus políticos e calhordas de plantão, pois estarão servindo para escondê-los da opinião pública…

Acooorda Brasiiil, pois em nossa “câmara dos deputados”, com letra minúscula sim, existe uma camarilha que lá está para defender os seus próprios interesses, os de seus patrões, ou de seus partidos, como se fossem representantes da “cosa nostra”, só faltou ao final da votação os beijinhos na face, como os mafiosos faziam…

Prof. Carlos Justino da Silveira

Graduado em Pedagogia, Mestre em Administração de Empresas e Controladoria, atua na área de ensino, e atualmente em Consultoria e treinamento de pessoal, sendo Professor de Administração e Gestão Manufatureira e de Serviços do Centro Universitário de Santo André – UNIÁ.