Biblioteca de Itupeva e centro de conhecimento

Por em 26 de abril de 2013
Jornal de Itupeva

No último dia 23, comemorou-se o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, data reconhecida por esse nome desde 1995, mas comemorada desde 1930 como Dia Internacional do Livro.

Em Itupeva, o que algumas pessoas podem não saber, é que existe um cantinho especial para os livros: a Biblioteca Municipal. Localizada na Rua Vicente Tartalha, 75, no Jardim São Vicente, ao lado do CSIII, a biblioteca, que atende no local há 10 anos, mas existe na cidade desde agosto de 1973, conta, atualmente, com um acervo de cerca de 10 mil livros diversos, além de periódicos, revistas e jornais e mais de 6 mil pessoas cadastradas.

Para o prefeito Ricardo Bocalon, os livros são importantes na educação e no desenvolvimento do ser humano, principalmente das crianças: “O livro é importante no aprendizado, na formação do caráter, no desenvolvimento da criança e do adulto. Como professor, acredito que os livros são uma ferramenta essencial para complementar a educação dos estudantes. O hábito da leitura deve ser incentivado desde cedo. Com certeza vamos valorizar a nossa biblioteca para que ela tenha um crescimento equivalente aos outros setores da cidade, pois é tão importante quanto saúde, habitação e lazer”, frisa.

Cássia Salles Domingues, além de responsável pela biblioteca há 10 anos, recebe periodicamente alunos dos primeiros e segundos anos da rede escolar para uma sessão de contos, onde explica de forma didática e divertida a importância da leitura e dos livros e como cuidar do seu “amigo de papel”.

Segundo Cassia (foto à direita), a procura pela biblioteca tem diminuído nos últimos anos (de 9.474 visitas em 2009 para 2.807 em 2012) e isso se deve a vários motivos: “A internet ajudou bastante a diminuir a procura. Hoje as pessoas tem computadores em casa, celulares, as informações mais dinâmicas e rápidas e acabam deixando de ir à biblioteca, acabam ficando sem paciência e, principalmente, tempo para uma leitura mais elaborada”, explica. Outro motivo ressaltado por ela, é a falta de atualização: “Para atrair os jovens, precisamos de livros atuais, que estão em evidência. Por falta disso, a maioria das visitas é para realizar pesquisas escolares, principalmente quando o professor exige que haja bibliografia”.

Cássia aproveita pra ressaltar também a importância da biblioteca e dos livros:“É importante criar o hábito da leitura nas crianças e, pra isso, é preciso o trabalho conjunto dos pais, da escola e da biblioteca. Todo mês, alunos dos primeiros e segundos anos visitam a biblioteca e participam da Hora do Conto, na qual falo de forma divertida sobre a leitura e os cuidados com os livros. Nessa última semana, inclusive, foram várias visitas, em comemoração ao aniversário de Monteiro Lobato (nascido em 18 de abril de 1882 , patrono da literatura infantil brasileira”, revela. Experiente, Cássia também vê no futuro da biblioteca uma convergência com as mídias: “Não acredito que o livro como conhecemos vai deixar de existir, mas o livro digital já é uma realidade e a biblioteca vai ter de se atualizar também”, finaliza.

Tainá Tamires, moradora do Parque das Hortênsias, tem 17 anos e há três frequenta a biblioteca: “Ganhei um livro do governo uma vez, gostei de ler e peguei o hábito. Gosto do livro, é muito diferente do que a gente lê na internet. Sempre que posso venho na biblioteca procurar algum livro novo. O meu preferido é Se Houver Amanhã, do Sidney Sheldon”, aponta.

Luciano Rodrigo Rodrigues (foto abaixo), é formado em jornalismo e funcionário da Prefeitura de Itupeva e já publicou dois livros independentes: “Por curiosidade, aprendi a ler antes de entrar na escola e logo peguei gosto pela escrita. Consegui publicar dois livros, um de crônicas em 2009, o “Crônicas Noturnas”, e uma história completa em 2012, o “Ted – Posso Ajudar?”, ambos pelo Clube dos Autores, e já estou escrevendo uma sequência. O mercado é bastante restrito, mas ver alguém lendo e se identificando com um texto que escrevi faz tudo valer a pena”, diz.

Os livros podem ser encontrados no Clube dos Autores: www.clubedeautores.com.br.


Sobre a Data
A Biblioteca Municipal de Itupeva funciona das 8h às 12h e das 13h às 17h, de segunda a sexta-feira e para realizar o cadastro basta comparecer no local com RG, comprovante de endereço e uma foto 3×4.

O Dia Internacional do Livro teve a sua origem na Catalunha, uma região da Espanha e começou a ser celebrada em 7 de outubro de 1926, em comemoração ao nascimento de Miguel de Cervantes, escritor espanhol, autor de Dom Quixote. A data foi proposta para a Câmara Oficial do Livro de Barcelona pelo escritor e editor valenciano, estabelecido em Barcelona, Vicent Clavel Andrés e em 6 de fevereiro de 1926, o governo espanhol, presidido por Miguel Primo de Rivera, aceitou a data e o rei Alfonso XIII assinou o decreto real que instituiu a Festa do Livro Espanhol.

No ano de 1930, a data comemorativa foi alterada para 23 de abril, dia do falecimento de Cervantes.

Em 1995, a UNESCO instituiu 23 de abril como o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, em virtude de, nesse dia, se assinalar o falecimento de outros escritores, como Josep Pla e William Shakespeare. No caso de Shakespeare, tal data não é precisa, já que ele faleceu 10 dias depois de Cervantes, que é a diferença entre o calendário juliano, usado na Inglaterra na época, e o gregoriano, usado na Espanha.