A visita dos “Capuchinhos”

Por em 6 de outubro de 2013

Posso estar equivocado, mas foi em 1961 que os missionários “Capuchinhos” estiveram em Jundiaí, mais precisamente na Igreja da Vila Arens, para uma visita. Claro que ela só podia ser de missões… E me lembrei disso porque estamos em outubro, o chamado “Mês das missões”. O movimento na Paróquia foi enorme.

Visitas às casas, às escolas e celebrações todos os dias, além de reuniões e encontros com os missionários. Hábito marrom, cinto branco, prá realçar, na cintura e sandálias nos pés. Maioria deles com barba e sempre um sorriso permanente nos lábios. Antes da missa das crianças, no domingo, lá estava um deles no púlpito, ensaiando com todos. Objetivo era tornar a celebração mais alegre! E sempre um cântico novo. Mas desde o primeiro ensaio até o dia de irem embora, a música que mais marcou minha vida foi “Mãezinha do céu”.

Claro que não me lembro os nomes dos missionários, mas o que ensaiava já chegava, da Sacristia, com o microfone na mão cantando “Mãezinha do céu eu não sei rezar, eu só sei dizer quero te amar, azul é teu manto, branco é teu véu, mãezinha eu quero te ver lá no céu…” e o coro de crianças arrepiava a igreja. Literalmente! Quando terminávamos de cantar e olhávamos um para outro haviam lágrimas nos olhos, os rostos estavam vermelhos, haviam crianças soluçando de emoção…

E vinha a celebração, mais cânticos e a Paróquia ganhou de presente uma imagem de Jesus Crucificado que desceria da cruz na Semana Santa. Esta imagem fora colocada na porta central da igreja, com uma placa impressa, informando a época da visita. E outro dia, quando me lembrei das missões, corri até a Igreja à procura da imagem. Como não frequento mais esta igreja, já que morro em outro bairro, imaginei que a imagem estivesse ali, ainda. Mas não estava mais. Mas me lembrei da visita dos capuchinhos, da visita à escola, ao Grupo Escolar Paulo Mendes Silva.

Na hora das classes formarem fila antes de seguir para a sala de aulas, à espera das professoras, o que vimos foi um grupo de capuchinhos seguindo em fila e puxando o cântico “Mãezinha do céu eu não sei rezar…” Confesso que até hoje talvez não tenha aprendido a rezar direito, divagando nos meus pedidos, nas minhas lamentações. Mas toda vez que ouço este cântico, toda vez que a Igreja fala em missões, me lembro do trabalho destes homens de Deus, pregando a palavra e deixando uma mensagem especial nos nossos corações…

Nelson Manzatto

Jornalista profissional desde 1976 e escritor desde 1998 quando publicou seu primeiro livro. Membro da Academia Jundiaiense de Letras desde 2002 onde ocupa a cadeira número 39. Publicou os seguintes livros: “Surfistas ferroviários ou a história de Luzinete“, em 1998; “Contos e Crônicas de Natal”, em 2007 e "Momentos - Crônicas de Nelson Manzatto", lançado em 2012 durante a 22ª Bienal Internacional do Livro. http://blogdonelsonmanzatto.blogspot.com.br/