Bancários de SP decidem encerrar greve após 6 dias

Por em 6 de outubro de 2014
Reprodução

Os bancários decidiram em assembleia nesta segunda-feira pelo fim da greve em São Paulo, Osasco e outros 15 municípios da região que já durava seis dias. A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou neste sábado ao Comando Nacional dos Bancários proposta de 8,5% (aumento real de 2,02%), piso de 9%, o que representa aumento real de 2,5%.

“Fizemos uma greve forte durante sete dias, que mobilizou os trabalhadores e fez com que os bancos mudassem sua posição. Conquistamos reajuste de 8,5% e piso de 9%. Com esse índice, em 11 anos, são 20,7% de ganho real nos salários e 42,1% nos pisos. Tivemos ainda valorização da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), além de um reajuste expressivo para o vale-refeição”, disse a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Juvandia Moreira. “Também conquistamos cláusula contra metas na Convenção Coletiva de Trabalho e o Sindicato vai cobrar de cada banco avanços em relação a isso”.

Benefícios
A regra básica da PLR será de 90% do salário mais valor fixo de R$ 1.838. Assim, a parte fixa, que em 2013 foi de R$ 1.640, será reajustada em 8,5%, o que significa aumento real de 2,5%. A regra determina ainda que devem ser distribuídos no mínimo 5% do lucro líquido. Se isso não acontecer, os valores de PLR devem ser aumentados até chegar a 2,2 salários.

O vale refeição será de R$ 26 por dia, com reajuste de 12% e 5,5% de ganho real. Haverá compensação dos dias parados em uma hora até o dia 7 de novembro para funcionários que têm uma jornada de 8 horas e até 31 de outubro para trabalhadores que têm jornada de 6 horas. Aquilo que não for compensado será abonado.

De acordo com o sindicato, os bancos se comprometeram a incluir na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) uma cláusula que prevê o monitoramento de resultados – o nome que dão para a cobrança por metas – com equilíbrio, respeito e de forma positiva para prevenir conflitos nas relações de trabalho.