Minha madrinha Olga Mathion

Por em 3 de julho de 2015

Olga Mathion apareceu em minha vida quando comecei a publicar minhas crônicas no Jornal de Jundiaí, no caderno Leitura de Domingo. Sempre que um texto meu saia publicado, ela aparecia na portaria do jornal, deixando um envelope, com um recado.

E o recado era uma ou duas linhas de textos ou apenas uma pequena frase. Certa vez, quando o texto falava sobre “Bolinha de Gude”, o envelope continha uma, colada num folha de recados em branco. Olga sabia que o recado estava dado.

Escritora e integrante da Academia Jundiaiense de Letras, uma bela tarde me ligou para me convidar a fazer parte do grupo. Preocupada, disse que não precisava fazer nada especial, a não ser preparar um currículo e anexar obras publicadas.

Ela mesma montou o processo e, dias depois, ligou para me informar a data de minha posse.

Agora minha ‘madrinha’ da Academia, Olga não perdia uma reunião mensal, na maioria das vezes acompanhada por sua irmã. Numa das reuniões, me lembro que um dos acadêmicos comentou sobre uma de minhas crônicas publicada no domingo anterior e lamentou que tal texto não poderia ser lido, pois não tinha o mesmo em mãos. Me pareceu que a informação foi a “deixa” para Olga.

Ela levantou-se no meio da sala, abriu a bolsa e retirou a página de jornal. “O texto está aqui, trouxe comigo”, disse ela. Seu ato mereceu aplauso dos presentes e não vou comentar aqui a leitura feita pelo acadêmico que comentara o texto e as opiniões sobre isso. Apenas lembro que, ao final da reunião fui ao encontro de Olga para agradecer todas as gentilezas e o carinho que tinha para comigo.

Seu sorriso foi sua resposta!

Numa das reuniões me presenteou com um livro onde, em crônicas, o autor fazia referência à sua infância, numa forma parecida com meus textos que relembravam o passado. “Faça um livro com seus textos”, me disse ela. Foi o que fiz anos mais tarde!

Mas – e sempre surge um triste mas… – Olga Mathion partiu, deixando um vazio enorme dentro dos escritores da cidade. Com grandes obras publicadas, Olga passa todos os dias pela minha memória. E todo mês, na hora das reuniões dos acadêmicos, olho junto à porta da sala de reuniões do Museu Histórico e Cultural de Jundiaí, na primeira fileira, e vejo o lugar vazio onde Olga costumava sentar. E os bilhetes circulam por minha mente, lembrando o carinho e a doçura desta mulher que se imortalizou dentro do meu coração.

Nelson Manzatto

Jornalista profissional desde 1976 e escritor desde 1998 quando publicou seu primeiro livro. Membro da Academia Jundiaiense de Letras desde 2002 onde ocupa a cadeira número 39. Publicou os seguintes livros: “Surfistas ferroviários ou a história de Luzinete“, em 1998; “Contos e Crônicas de Natal”, em 2007 e "Momentos - Crônicas de Nelson Manzatto", lançado em 2012 durante a 22ª Bienal Internacional do Livro. http://blogdonelsonmanzatto.blogspot.com.br/