Polícia apreende 50 toneladas de carne estragada

Por em 27 de outubro de 2015
Jornal de Itupeva

Uma responsável foi presa por crime contra relações de consumo.

A polícia informou que ao chegar no local, a carne estragada poderia por ser reembalada.

Cerca de 50 toneladas de carga estragada foram apreendidas em Itupeva na manhã desta terça-feira, dia 27 de outubro.

Essa foi uma das maiores apreensões de alimentos vencidos em todo o Estado de São Paulo.

A carne foi descoberta pelo Setor de Crimes Ambientais de Jundiaí, tendo comparecido ao local os delegados Luís Carlos Duarte e Carlos Eduardo Barbosa Soares, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), unidade responsável pelo Setor de Crimes Ambientais.

Segundo o dr. Duarte, a carne teria vindo do Estado de Goiás e foi encontrada durante vistoria solicitada pela própria empresa, para obtenção de alvará que permitisse o armazenamento de produtos químicos no local.

O delegado explicou que toda a carne estava em caixas cobertas por lona, deixadas no pátio, e foram descobertas após pedido de policiais do Setor para que fosse informado que tipo de material se tratava.

“A princípio, funcionários da Marfrig disseram que eram equipamentos de outra empresa, mas foi verificado e constatado que se tratava de alimento vencido”, disse Duarte.

A autoridade policial também disse que, informalmente, funcionários afirmaram que o alimento estava sendo analisado para possivelmente ser reprocessado, mesmo com o conhecimento de que estava vencido, conforme apontavam as embalagens. Além disso, continuou o delegado, foram constatados vazamento de líquido das embalagens, insetos e até mesmo larvas na carne.

Crime: Segundo o delegado, foi registrado um boletim de ocorrência de crime contra as relações de consumo, que prevê pena de até cinco anos de reclusão. Já as carnes, pela quantidade, permaneceram depositadas na própria empresa para serem destruídas. Indagado, o advogado do frigorífico não quis comentar o caso.

Uma representante da empresa foi presa em flagrante por crime contra as relações de consumo e a denúncia será encaminhada agora para outros órgãos competentes.