Defesa Civil Alerta fortes chuvas nas próximas 48 horas

Por em 29 de dezembro de 2015
Jornal de Itupeva

Fortes Chuvas, que podem chegar até 300 mm, devem atingir a região do interior nos próximos dias.

O alerta foi emitido hoje (terça-feira) pelo Governo Popular de Itupeva, por meio do secretario de Defesa Civil de Itupeva, Eduardo da Cruz.

Segundo o secretário, chuva de até 300 mm pode atingir a região nas próximas 48 horas, ou durante a semana do Reveillon.

Para ter uma ideia do que isso representa, uma chuva de 100 mm é considerada uma tempestade fortíssima;  300 mm significam 300 litros de água por metro quadrado.

“Temos que ficar alerta e, principalmente, colaborar com a Defesa Civil, não jogando lixo, entulho, galhos, móveis velhos e tantas outra coisas nos bueiros, córregos e saídas de água. Isso ajuda muito. Como o volume de chuva previsto é muito grande, qualquer obstrução nos córregos pode causar um estrago imenso. O prefeito Bocalon tem feito muito para diminuir o risco de enchentes na cidade. Fizemos obras na rua Cabreuva, no Córrego da Lagoa, na Emílio Checchinato, no Rio Jundiaí e em tantos outros locais. Agora estamos trabalhando na Vila São João, no Córrego Piracatu. São diversas ações executadas para garantir que a população não seja prejudicada, mas precisamos que a população também colabore”, afirmou o secretário.

Ainda de acordo com Eduardo, a meteorologia segue indicando, com persistência, a possibilidade de muita chuva em boa parte do interior do Estado de São Paulo, ao longo desta última semana de dezembro. Tal índice pluviométrico em um curto espaço de tempo pode desencadear estragos de grandes proporções como alagamentos, enxurradas e deslizamentos de terra.

Defesa Civil: Plano de Ação Emergencial
O Secretário de Defesa Civil, Eduardo da Cruz, ressaltou as diretrizes do Sistema de Defesa Civil do Município e lembrou que para cada tipo de dano existe um plano de ação. Também ressaltou  a importância do comprometimento da equipe que compõe o Sistema de Defesa Civil do Município, formada por um integrante de cada Secretaria da Administração Pública Municipal.

“Em nossas mãos está sendo atribuída uma responsabilidade muito grande. Não queremos que aconteça nenhuma catástrofe ou desastre natural em Itupeva, mas temos que estar preparados para caso venham a acontecer”, disse.

O Plano de Ação Emergencial tem como objetivo enfrentar os possíveis danos naturais decorrentes das chuvas, como enchentes e alagamentos registrados em anos anteriores no município, Plano que prevê um conjunto de medidas – preventivas, de socorro e de recuperação de danos – destinadas a evitar ou a minimizar os desastres, preservar a integridade da população e restabelecer a normalidade social.

Segundo a Secretaria de Defesa Civil, o Plano prevê atenção especial para as áreas localizadas às margens do Rio Jundiaí, desde o parque das Hortênsias até a região do bairro do Quilombo, com uma extensão de mais de 17 quilômetros e também as áreas de córregos, no Jardim Samambaia e Vila São João.

Para a elaboração do Plano, a Defesa Civil de Itupeva mapeou algumas áreas de risco de inundações como: Jardim Samambaia, Alegria, Vila São João, Parque das Hortênsias, Santa Eliza, Guacuri e área Central.

El nino tem influenciado no tempo
ONU alertou para as consequências das mudanças no clima que este fenômeno provoca: dezenas de milhões de pessoas em todo o planeta vão enfrentar a fome e a doença. São as piores cheias em 50 anos as que estão a devastar vastas regiões do Uruguai, Argentina, Brasil e Paraguai. A causa deste desastre natural é a chuva, que cai torrencialmente há vários dias, e na origem desta está o El Niño, Há povoações inteiras submersas devido à subida dos rios e 150 mil pessoas já estão desalojadas. Outros danos estão por apurar, mas um é certo — as colheitas perderam-se e serão muitos mais os que vão precisar de ajuda alimentar, para não passarem fome.

O Paraguai já declarou o estado de emergência em oito regiões inundadas. A capital, Assunção, é banhada pelo rio Paraguai e as suas águas estão a 30 centímetros de transbordar, segundo apurou a BBC.

No Brasil, dezembro de 2015 vai terminando e com diferenças significativas de precipitação na maior parte do Brasil. Meteorologistas atribuem como sendo a principal causa, a atuação do fenômeno El Niño, que modifica completamente o escoamento do vento. Chuva em demasia no Sul e em Mato Grosso do Sul, onde mais de 200 municípios, no total, sofreram com as enchentes, alagamentos e deslizamentos de terra.

O mês de dezembro começou com chuva muito volumosa e consecutiva em todo o Estado de São Paulo e principalmente no interior, na região de Itupeva e Jundiaí e também no sul de Mato Grosso do Sul e ao longo do mês, os sistemas convectivos provocaram temporais também entre o Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

O El Niño é um fenômeno climático que, de dois em dois anos, aquece as águas do Pacífico — estendendo este efeito para Sul e para Norte do continente americano. Ao aquecer as águas, diz a explicação da BBC, provoca alterações no padrão dos ventos e o clima muda drasticamente.

O El Niño tem consequências em todo o globo. Em algumas zonas, chove torrencialmente, noutras ocorrem outros fenômenos como tempestades ou furacões, como a que se formou em Outubro ao largo do Golfo do México e que foi classificado com o mais forte alguma vez registado no Ocidente — ao chegar a terra perdeu força, não provocando a destruição que se temia.