Marido traído estupra filha e bate na PM

Por em 29 de dezembro de 2015
Na fuga, o acusado bateu na viatura da PM

A atitude covarde de um homem, morador do bairro Vilarejo, na cidade de Cabreúva, causou revolta e muita indignação na manhã do último domingo, dia 27. Ao descobrir uma suposta traição de sua esposa, Cícero G. da Silva, 42 anos, decidiu ‘descontar’ a raiva estuprando a própria filha, de apenas 16 anos, no intuito de se vingar da mãe, que teria o traído.

De acordo com informações da Polícia Militar, Cicero teria descoberto a suposta traição no último sábado. Inconformado, ele ingeriu bebida alcoólica e decidiu se vingar da esposa, abusando sexualmente da filha.

Após o crime, o acusado fugiu, mas retornou no dia seguinte, armado com uma faca, e passou a ameaçar a filha, dizendo que se ela falasse algo sobre o abuso a mataria.

A Polícia Militar de Cabreúva foi até o local e quando colhia informações foi informada que o acusado, ao perceber a presença da viatura, entrou em seu carro e fugiu em velocidade incompatível com a via, em direção à Avenida Adélia Barbosa de Oliveira.

Os policias que atendiam a ocorrência solicitaram apoio a outras viaturas, no intuito de realizar um cerco e prender o acusado que acabou batendo de frente com a viatura I-11210, da PM.

Com a batida, ambos os veículos ficaram avariados. Cícero e um dos policiais sofreram ferimentos leves.  Detido, o acusado confessou aos policiais militares que havia abusado da própria filha.

“Eu me descontrolei quando soube da traição de minha esposa. Minha filha sabia e escondeu de mim, ai, quando eu descobri, fiquei descontrolado, tomei um corotinho de pinga e abusei dela. Eu mereço ir pra cadeia e a mãe dela tem que pagar pelo que fez, até mesmo pelo meu erro”, disse o acusado no momento que recebia  voz de prisão.

Já na delegacia, Cícero foi apresentado ao delegado, dr Osvaldo Roberto Cândido, que após se cientificar do caso, bem como de sua gravidade, ratificou a voz de prisão e determinou que o que o acusado fosse recolhido ao Centro de Triagem de Campo Limpo Paulista, onde ficaria à disposição da Justiça, que deve julgá-lo pelo ato covarde e criminoso.