Itupeva se despede em lágrimas de Iolanda Polidori

Por em 14 de novembro de 2016
Itupeva se despede de Iolanda Polidori

Na manhã nublada desta segunda-feira (14 de novembro), a cidade se despediu de uma de suas filhas. Deus chamou para perto Dele, Iolanda Polidori, que tinha 64 anos de idade, uma mulher guerreira e exemplo de força e de fé. Iolanda marcou no município uma trajetória de amizade, dedicação à família e de décadas de muito trabalho, tendo demonstrado durante toda sua vida o seu amor por esta terra.

Desempenhou importante função em escolas municipais de Itupeva, principalmente no bairro Morro Alto, onde contribuiu com a educação de dezenas de crianças. Iolanda Residia na rua 21 de Março, a rua que leva a data de Emancipação Político-administrativa de Itupeva, e deixa enlutada uma grande família, entre elas cinco irmãos: Páscoa Polidori Izzo, Maria Stella Virillo, Angelo Polidori e Maria Inês ‘Neide’ Polidori e Sérgio Polidori; e também quatro filhos: Patrícia, Fábio, Rodrigo e José Antonio Jr  (meus queridos primos).

O sepultamento do corpo de Iolanda vai acontecer no Cemitério Municipal “Jardim das Flores”, em Itupeva , às 16h30 horas desta segunda-feira, dia 14. Em clima de muita emoção, a enlutada família receberá as condolências no velório municipal, onde o corpo deve chegar às 14 horas de hoje, onde familiares e muitos amigos certamente devem se reunir para o último adeus a esta mulher, que deixou um legado do que é ser serva de Deus, uma mulher amiga, mãe e avó dedicada e de amor incondicional, humana e que já deixa com certeza muitas saudades.

A DESPEDIDA DE UMA GUERREIRA

Na minha jornada de trabalho durante a madrugada, recebi a notícia que me derrubou, minou minhas forças. Mais do que nunca, queria que aquela notícia não fosse verdadeira, talvez um sonho. Mas o dia amanheceu, nublado e chuvoso, e confirmou a notícia de sua triste partida. Ainda está gravada em minhas retinas a última presença física do seu rosto amigo, sempre sorridente, quando visitou a minha família. Um beijo e um abraço renovou nosso relacionamento amigo e familiar e o balançar de suas mãos em forma de aceno selou nossa despedida. As mesmas mãos que semearam, trabalharam, abençoaram e tanto afagaram! Naquele dia o sol se despedia, esvaía-se na linha do horizonte, num matizado trajeto de cores pálidas, filtrando seus raios através do arvoredo em sombras rendadas, muito visíveis de um dos pontos mais altos do Parque dos Cafezais.

Hoje o esquife com o corpo de minha querida tia fará uma curta e triste viagem, sendo transportado e acompanhado por aqueles que amou, deixando para trás o casario, a vida agitada pelo convívio humano. Fica para trás um lar vazio e uma saudade eterna. A brisa deste dia chuvoso e nublado vai fazer parte deste dia que gostaria que fosse apenas uma encenação, um boato, um filme impregnado de tristeza que nunca vai desertar de mim e daqueles que você tanto tratou com carinho e amor. É a despedida de uma guerreira! A última homenagem que a vida lhe fará. Uma mulher simples que, além dos muitos valores, deixou sua coragem por legado.

“Tia Landa”: você nos ensinou muito. Seu jeito carinhoso, amigo e doce, nos conquistou. As lágrimas hoje rolam por nossa face e nossas ações aqui na terra, um dia, irá nos proporcionar um eterno reencontro junto ao Pai. Sua dedicação e amor pelo próximo, seu verdadeiro legado, e o ensinamento que nos deixou mostrando que sempre vale a pena investir na nossa família. Obrigado por fazer parte da nossa vida, que certamente jamais será a mesma sem você.

Mesmo do outro lado da vida, o seu espírito, certamente, estará entre a gente, para nos acalentar. Vá em paz, Tia Iolanda.

((Luiz Carlos Izzo)