Polícia Civil estoura destilaria de whisky falsificado

Por em 27 de novembro de 2017
Jornal de Itupeva

Na manhã desta segunda-feira, dia 27, a Polícia Civil de Itupeva, sob o comando do delegado titular, dr. Adalberto Ceolin e também do investigador chefe, Vanderlei Euflozino, prenderam o responsável por uma refinaria clandestina de whisky e vodka, que eram falsificados em Itupeva. A refinaria estava instalada no Bairro São José e era responsável pela falsificação de produtos como whisky Black e Red Label, Jack Daniel’s,  Passport Scotch, Buchanan’s, White Horse, bem como vodka Smirnoff.

De acordo com o delegado de polícia, além de alguns comércios de Itupeva, a bebida também era fornecida para baladas, pancadões, festas e raves realizadas em Itupeva e região. Os compradores também estão sendo investigados pela polícia e poderão responder pela compra do produto falsificado.

A investigação sobre o local já vinha sendo realizada há cerca de 2 meses, após a detenção de um homem quando fazia a entrega dos produtos falsos em alguns estabelecimentos da cidade. Na época, a notícia foi veiculada em primeira-mão pelo Jornal de Itupeva.

A ação
De posse de todas as informações sobre o local, onde as bebidas estariam sendo produzidas, a equipe da Polícia Civil, composta pelos investigadores Ricardo, Odair e Latorre, armaram o ‘bote’ e às 6 horas da manhã de hoje (segunda-feira) foram até o bairro São José e permaneceram de ‘campana’ no local, quando detiveram o responsável pela falsificação. No local foram encontrados grandes reservatórios adaptados para a armazenagem do produto falsificado, rolos com rótulos e etiquetas para a personalização das garrafas, além de uma diversidade de aromatizantes para a produção da bebida.

A identificação do acusado não foi liberado pela polícia, já que as investigações ainda continuam e outros envolvidos estão sendo procurados bem como  aqueles que compravam o produto falsificado.

Clique no link abaixo para saber mais sobre a ação anterior, que prendeu o fornecedor do produto falsificado em Itupeva.

http://www.jornaldeitupeva.com.br/2017/06/29/falsificador-de-bebidas-e-preso-em-itupeva/

Os perigos da bebida “batizada”

Gosta de tomar todas sem conferir a procedência? Saiba o que pode acontecer se você tomar álcool adulterado. Quando a galera fica “muito louca” de tanto virar o copo a noite toda não é difícil comprar gato por lebre. Mas, mesmo com a mente sóbria, tem gente que não pensa duas vezes antes de economizar na ‘birita’ e acaba levando pra casa um veneno terrível que pode literalmente acabar com a festa.

O envenenamento por álcool adulterado é mais comum do que parece. Recentemente, mil pessoas foram intoxicadas e 87 morreram na Líbia após o consumo de bebida adulterada. Segundo o governo, que proíbe a venda de bebidas alcoólicas por seguir a lei islâmica, a substância vendida às vítimas continha metanol — substância tóxica que pode levar à morte.

Quais são os riscos de ingerir a substância?

POR QUE O ÁLCOOL ADULTERADO PODE MATAR

Uma vez ingerido, o metanol é convertido em formaldeído e ácido fórmico, o que faz com que o sangue se torne ácido (acidose metabólica). Os sintomas geralmente aparecem cerca de 12 a 24 horas após o consumo e, além de embriaguez, eles incluem:

- Dificuldade em respirar ou falta de ar

- Cegueira, visão turva, ou pupilas dilatadas

- Convulsões ou pressão arterial baixa

- Tontura, dor de cabeça, convulsões e fraqueza

- Lábios, unhas, ou ambos, azulados

- Dor abdominal, diarreia, náusea e vômito

Como os níveis de ácido no sangue se tornam elevados, medidas mais drásticas devem ser tomadas para purificar o sangue. Recomenda-se a ingestão de bicarbonato de sódio para neutralizar o ácido fórmico e manter o equilíbrio do ph.

ADITIVO IRRESPONSÁVEL

Uma alternativa mais barata para a produção de etanol, o metanol — também conhecido como álcool metílico ou álcool da madeira — é adicionado em grande quantidade às bebidas alcoólicas por empresas ilegais. Além disso, níveis mais elevados de metanol podem ser acidentalmente formados durante a fermentação de bebidas que são ricas em pectina, como vinhos e uísques. Durante um processo de fermentação limpo, o metanol é produzido em segurança e níveis baixos. Já em recipientes de fermentação impuros, bactérias fazem com que o nível de metanol aumente.

TRATAMENTO

Assim como o etanol, o metanol é naturalmente removido através da respiração ou da urina, porém estes processos costumam ser lentos demais para salvar uma vida. A maneira mais rápida de remover o álcool metílico é a diálise ou a administração de Fomepizol,  que bloqueia a formação de metabólitos tóxicos.

DICAS PARA OS PRIMEIROS SOCORROS

A ingestão de metanol é potencialmente fatal. Se você não tiver ajuda médica imediatamente, não provoque o vômito e procure ajuda médica urgente.