Pai é acusado de agredir filha de 13 anos no réveillon

Por em 1 de janeiro de 2018
Pai agride filha de 13 anos no réveillon em Itupeva

Uma criança de apenas 13 anos, moradora de um bairro próximo da região Central, encaminhou para nossa redação o relato de uma suposta agressão, ocorrida na noite de ontem, último dia do ano, (31/12), contando ter levado um soco na boca do próprio pai.

Chorando, a criança relatou, também, que a mãe ‘não liga para ela’.  Em um dos trechos da mensagem, a criança confessa que há alguns meses teria sido abusada sexualmente pelo pai e que teria contado para a mãe, mas para proteger o marido a mãe dizia que ‘não acreditava nela’.

“Minha mãe nem liga pra mim. Para ela eu sempre estou errada, até porque há alguns meses ele abusou de mim sexualmente. Eu contei para minha mãe, mas ela não acreditou em mim. Meu pai falou que vai me matar”, relata.

O editor do Jornal de Itupeva iniciou a conversa com a criança e perguntou se a mãe havia feito o Boletim de Ocorrência na Delegacia de Itupeva e a resposta foi negativa, sendo orientada pelo jornalista que procurasse a polícia ainda hoje.

No intuito de preservar a integridade da vítima, encaminhando os dados, foto e informações para a Polícia e informamos também o Conselho Tutelar de Itupeva.

Criança liga escondido para a PM

No final da manhã de hoje (segunda-feira), a criança conseguiu ligar escondido da mãe para o COPOM da Polícia Militar. A equipe composta pelo Cabo Júnior e soldado Fernando recebeu a informação, marcou um ponto de encontro e foi até a criança, conduzindo-a para o Hospital Municipal de Itupeva, onde serão realizados exames de corpo de delito. O pai também foi localizado e está sendo conduzido para a delegacia, para o registro da Ocorrência. Em breve, novas informações, aqui, no Jornal de Itupeva.

Pai dá versão sobre agressão à filha

A reportagem do Jornal de Itupeva foi até a delegacia de Itupeva para acompanhar o andamento da ocorrência sobre a acusação de agressão e violência sexual, que teria sido provocada por um pai contra a própria filha.

Segundo declarações passadas pelo acusado ao plantonista Sandro, as informações são contraditórias e a menor de 13 anos vem apresentando muitos problemas em casa, principalmente pelo fato de ter passado a andar em más companhias e permanecer, mesmo na tenra idade, até altas horas da madrugada pelas ruas do bairro.

Preocupado com o envolvimento com drogas e com a criminalidade, o pai rotineiramente caminha pelas ruas do bairro à procura da filha. Por volta das 3 horas da madrugada de hoje (1º de janeiro), a filha ainda não havia retornado para casa e o pai novamente saiu a sua procura, tendo-a encontrado em más companhias. Desobedecendo o pedido de retornar para casa, o pai a pegou pelo braço para levá-la para casa, momento em que a menina se revoltou e passou a agredir o pai, que tentou a agarrar a força e na defesa das agressões desferiu um tapa em seu rosto.

Quanto à denúncia de violência sexual relatada pela criança, a menor informou à polícia que em certa data teria chegado em casa às 23 horas e deitou em sua cama, momento em que o pai teria acariciado seus seios e genitália. Tanto o pai quanto a mãe desmentiram essa informação.

Eles afirmam que a intenção da criança é tirar o pai de casa e teria inventado essa história para levar o pai para a cadeia. Com isso, ela teria mais liberdade para ficar perambulando com as más companhias nas madrugadas, já que é o pai o empecilho, que a busca todas as noites que ela avança e a madrugada sem retornar para casa. O plantonista policial relatou, também, que constatou contradições no depoimento da criança. “Em certo momento ela diz uma coisa e depois muda o que falou”, disse.

Ouvidas as partes, o delegado de polícia, cauteloso com o caso, determinou a instauração de inquérito policial para apuração dos fatos. O pai foi liberado e responderá em liberdade.